/images/banners/minas_on_line/minasonline.png

Comunidade São Francisco de Assis presta homenagem à Irmã Carmela


A comunidade da Casa de Saúde São Francisco de Assis, em Bambuí, perdeu, no último final de semana, uma grande parceira que contribuiu com ações, iniciativas e principalmente com muito carinho dedicado aos moradores, servidores e pacientes da unidade. A Irmã Carmela faleceu no dia 25 de novembro, às vésperas de concretizar um dos seus maiores projetos: a inauguração do Recanto Maria Munari, um asilo junto à CSSFA, que foi idealizado e construído por ela e está previsto para ser inaugurado no dia 8 de dezembro.

A homenagem a seguir foi escrita por uma servidora da CSSFA, que expressa toda a gratidão e tristeza pela ausência de Irmã Carmela.

“Rosa Lombardi, a Irmã Carmela, nasceu em San Giovanne, Itália, em 6 de dezembro de 1930. Chegou ao Brasil em 1951, para trabalhar no Colégio Nossa Senhora do Calvário, em Belo Horizonte. Retornou à Itália no final de 1967 para concluir seus estudos na área de enfermagem. Em 1970, retornou a Belo Horizonte, já exercendo o trabalho de enfermeira. Chegou à Comunidade São Francisco de Assis, em Bambuí, em 1977, onde trabalhou em prol da comunidade e da unidade por 40 anos.

Tivemos uma grande perda quando, neste sábado, ela veio a falecer vítima de um infarto. Neste momento de pesar, tristeza, vazio e insegurança, a comunidade relembra e enfatiza o quanto ela era querida e estava sempre empreendendo esforços para conquistar cada vez mais melhorias para a comunidade local.

Ao lado do Padre Mário Gerlin, também italiano, que chegou à Comunidade São Francisco de Assis no mesmo ano que ela e passou a dedicar-se aos hansenianos. Sua trajetória foi marcada pela luta em favor dos pacientes, pela mudança de paradigma, pela transformação e pelas inserções familiar e social. Juntos, eles revolucionaram a vida dos hansenianos, a quem padre Mário chamava dos ‘últimos dos últimos’.

Irmã Carmela e Padre Mário trouxeram os filhos que viviam nos preventórios para junto de seus pais, transformando opiniões. Foi fundado o Centro Social São Francisco de Assis e, por meio dele, conseguiram apoio para as melhorias no hospital, como por exemplo: o setor de laboratório, a reabilitação, a aquisição do elevador, as reformas do SND e a fundação da padaria. Na comunidade foi inaugurada a creche "Irmã Carmela", para acolher as crianças filhas de moradores (descendentes dos hansenianos), possibilitando, assim, que suas mães pudessem trabalhar e que essas crianças tivessem o devido acolhimento, cultura e educação, num ambiente de carinho e, sobretudo, amor, preservando o verdadeiro sentido de família numa comunidade tão marginalizada pela hanseníase.

Assim foram ocorrendo mudanças na vida dos ex-portadores de hanseníase e de seus descendentes, que vivenciaram todo o estigma da doença e do preconceito. Com a morte de padre Mário Gerlin, em 1993, seu legado - um exemplo de luta, determinação e ideologia, com o apoio dos amigos italianos e da Congregação das Filhas de Nossa Senhora do Monte Calvário, - foi transmitido à Irmã Carmela, sua fiel seguidora. Ela continuou sua obra a favor do próximo, exerceu com sabedoria a missão de fazer o bem. Irmã Carmela conseguiu dar prosseguimento aos seus projetos, abraçou seus ideais e lutou por essa Comunidade, apoiando e colaborando com a FHEMIG em todos os sentidos. Sempre levantou a bandeira a favor da Comunidade, idealizando e buscando melhorias para que todos ali vivessem com dignidade.

A Comunidade São Francisco de Assis pode ser dividida em dois momentos, antes e depois de Irmã Carmela. É notável a diferença na área física, na saúde, na educação e na socialização dos cidadãos, especialmente nos ex-hansenianos e seus descendentes, que sempre puderam contar com sua dedicação e proteção. A transformação de vidas, de conhecimento, o fruto da doação, do carinho, do amor e da dedicação no desempenho da sua missão religiosa, de irmã de caridade e de ser humano tão especial,  vão  fazer muita falta!

As palavras de ordem neste momento de dor podem ser saudade e gratidão, porque Irmã Carmela, nossa amiga e mãe, esse anjo que Deus precisou levar para ajudar lá no andar de cima, teve uma vida longe da família e tornou a todos nós os seus filhos e irmãos mais queridos. Nossa gratidão à ela e à Congregação das Freiras Filhas de Nossa Senhora do Monte Calvário, que nos deram a oportunidade de conviver por 40 anos com Irmã Carmela, essa pessoa que era só bondade.

Seu jeito firme, determinado, que pensava em fazer e fazia, sonhava, planejava e movia meio mundo para executá-los, tinha uma autoridade doce e o respeito que abria todas as portas, realizando o impossível. Ela investiu na educação; graças a ela, a Unidade conta com a Creche irmã Carmela, com a escola de 1º grau CIEP Padre Mário Gerlin e a escola de 2º Grau Papa João Paulo II. Com o apoio incansável da Irmã Aparecida o seu exemplo será seguido!

Com 86 anos, cheia de esperanças e vontade, sua mais recente obra, realizando um sonho antigo dela e de padre Mário, é a construção do Recanto Maria Munari, o qual está preparado para ser inaugurado em breve. Em uma de suas recentes falas, durante os preparativos da inauguração, ela citou que aqui estamos cuidando de vidas, desde o início, com os pequenos na Creche, até os idosos - que irão para o Recanto. Nesse espaço de vida entre um e outro, seu propósito era ajudar, fazendo o bem sem olhar a quem, dando a assistência e a atenção necessária contando uns com os outros.

Nesse momento de luto, de dor, de saudade e sabendo que continuar é preciso, rogamos a Deus por essa Unidade, para que sua sucessora tenha o apoio necessário para prosseguir nos projetos do Centro Social. Como diz o Papa Francisco, ‘Deus dá as batalhas mais difíceis aos seus melhores soldados’. Irmã Carmela foi esse soldado da melhor qualidade, que lutou pela Unidade,  apoiando,  ensinando e que deixou exemplos de como vencer  as nossas batalhas do  dia a dia.

 Sentiremos muita falta do seu carinho e do seu abraço reconfortante.

Segundo o Diretor da unidade Divino Flausino de Almeida, a Irmã Carmela era ‘uma pessoa especial, uma parceira incansável, ferrenha defensora de todas as causas, que envolviam esta unidade. Tinha um carinho todo especial, principalmente com as crianças da comunidade, acreditava que o maior legado a ser deixado era uma educação de qualidade. Era pessoa singular, uma verdadeira mamma italiana de um coração enorme e caridoso. Fica um imenso vazio que jamais será preenchido’.

Descanse em paz irmã Carmela! Deus lhe pague por nos fazer tanto bem!"

O presidente da Fhemig, Tarcisio Dayrell Neiva, conheceu a Irmã Carmela e, em uma das oportunidades em que se encontraram, em julho deste ano, ele a entregou uma comenda com os dizeres "Homenagem da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais à Reverendíssima Madre Carmela Lombardi pelos 40 anos de dedicação à Comunidade da Casa de Saúde São Francisco de Assis. O reconhecimento da importância de sua atuação na luta contra o preconceito e profunda gratidão pela transformação promovida na vida dos pacientes portadores da hanseníase". Na ocasião de seu sepulltamento, no domingo passado na unidade, o presidente esteve presente e enfatizou sua gratidão pelo compromisso da Irmã Carmela com a Fhemig e pediu às irmãs de sua Congregação que deem continuidade ao trabalho dela.


Autora: Leila Maria Silva Araújo, servidora da FHEMIG há 30 anos, que, em suas palavras, “Teve o privilégio e a benção de poder acompanhar, participar e de fazer parte desta história de amor, doação, trabalho e carinho, dedicada a todos os pacientes, moradores, funcionários e usuários, apoiando a assistência da FHEMIG nesta Unidade e dividindo alegrias, conquistas, as tristezas inevitáveis e as perdas irreparáveis”.


FHEMIG nas redes sociais

   Twiter Facebook   

 ouvidoria