/images/banners/minas_on_line/minasonline.png

Prematuridade é a maior causa de mortalidade infantil até os cinco anos de idade



O que Napoleão Bonaparte, Charles Darwin, Pablo Picasso, Albert Einstein e Isaac Newton têm em comum? Esses conhecidos nomes da história da humanidade nasceram prematuros ou pré-termo. É considerado prematuro o bebê que nasce antes das 37 semanas de gestação – sendo prematuro moderado ou tardio o bebê nascido entre 31 e 36 semanas e seis dias e prematuro extremo o que nasce entre 24 e 30 semanas de idade gestacional.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), no Brasil, por ano, nascem quase 300 mil prematuros, número que coloca o país na 10º posição no ranking mundial de prematuridade, que é a maior causa de mortalidade infantil até os cinco anos de idade em todo o mundo. No Brasil, a cada 30 segundos morre um bebê ou criança por complicações relacionadas ao parto prematuro. O nascimento precoce gera grande impacto na vida do bebê e de sua família, além de custos altos para a assistência à saúde.

Na Maternidade Odete Valadares (MOV), da Fhemig, uma programação especial foi dedicada às comemorações do Novembro Roxo – mês da prematuridade. A proposta é levar informação a usuários e servidores sobre o impacto da prematuridade no serviço de saúde, divulgar a importância da maternidade na assistência à gestante de risco e bebê pré-termo, integrar e compartilhar conhecimentos, criar uma rede de boas práticas assistenciais e promover a construção de conhecimentos para um atendimento em excelência.

A programação teve início com uma solenidade realizada no dia 6, com fala de abertura feita pela diretora da unidade, Flávia Ribeiro. Houve ainda palestra sobre humanização no cuidado, com o coaching Ricardo Melo.


Equipe da MOV com o coaching Ricardo Melo

No dia 19, a maternidade realizou seu II Seminário da Prematuridade. Integraram a mesa de abertura do evento a coordenadora de enfermagem da Neonatologia, Renata Assis; a coordenadora do Núcleo de Ensino e Pesquisa da MOV, Érika Rabelo; a coordenadora do serviço de Neonatologia da MOV, Ângela Soares; e o gerente estratégico da MOV, Cristiano Lopes – representando a direção da unidade.

Temas como amamentação de prematuros, procedimentos de intervenção precoce, método canguru, benefícios do banho de balde, cuidados na assistência à gestante de risco, exames de imagem determinantes no parto prematuro e cuidados paliativos em neonatologia foram apresentados e debatidos pelos participantes.


A neonatologista Silra Borges falou sobre os desafios da prematuridade 

A neonatologista e coordenadora da Unidade de Tratamento Intermediário (UTIN) da MOV, Silra Borges, explica que a prematuridade constitui um maior risco para adoecimento, tanto na vida neonatal, quanto na infância e vida adulta. “Os prejuízos que a prematuridade traz extrapolam as questões cognitivas e comportamentais. É, de fato, um problema de saúde pública. Entre os prematuros, temos 59% de casos de prematuridade espontânea – os casos que não conseguimos prevenir. E o restante (41%) são de prematuros provocados. Entre os principais desafios estão os de identificar a sobrevida do bebê, minimizar as complicações de curto prazo e evitar as complicações de longo prazo, para permitir que recém-nascido e família tenham uma boa qualidade de vida”.

No dia 30, o encerramento das atividades pelo Novembro Roxo na MOV será uma grande homenagem aos servidores, além de confraternização com usuários do serviço, no auditório da unidade, às 16h.

FHEMIG nas redes sociais

   Twiter Facebook   

 ouvidoria