/images/banners/minas_on_line/minasonline.png

Dúvidas sobre amamentação

Dúvidas mais frequentes sobre amamentação:

Por quanto tempo deve-se amamentar a criança?

A Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde recomendam a amamentação exclusiva por seis meses e que o leite materno continue sendo oferecido em parceria com a alimentação complementar. Isso pode se estender até os 2 anos ou mais. A introdução de novos alimentos provoca a diminuição gradual no número de mamadas ao longo do dia. Assim, naturalmente, acontece o desmame.

Qual a dieta mais recomendada durante a amamentação?

Não existe um cardápio pré-determinado. O ideal é que a mãe se alimente da forma mais saudável possível, dedicando especial atenção à ingestão de líquidos.
Outra dica é fazer várias refeições balanceadas ao longo do dia. Os especialistas concordam: comer cinco ou seis vezes ao dia e investir em frutas e fibras, além de não abusar dos doces é um ótimo caminho.

Devo dar água ao bebê que está amamentando exclusivamente ao seio?

Não. O leite materno já contém água suficiente em sua composição para hidratar o bebê. Esse é o alimento mais completo que existe. Não  precisa oferecer mais nada à criança durante os seus seis primeiros meses de vida.

O que posso comer ou fazer para aumentar a quantidade de leite?

Não existe um alimento que cumpra essa função. O maior estímulo para a produção de leite é a própria sucção do bebê. Além disso, você deve ingerir bastante água – uma matéria-prima essencial a esse processo.

O que devo fazer se surgirem rachaduras no bico do seio?

As rachaduras aparecem quando a criança não está pegando bem no peito da mãe. Se a pega do bebê não estiver correta, procure corrigi-la. Se o peito estiver muito cheio, tornando a mamada difícil, retire um pouco do leite antes, para ajudar o bebê a mamar. Se não houver melhora, procure ajuda em um serviço de saúde.

O que devo fazer se os meus seios estiverem “empedrados”?

Quando isso acontece, é preciso esvaziar bem os seios. Não deixe de amamentar, ao contrário, amamente com freqüência, sem horários fixos, inclusive à noite. Retire um pouco de leite antes de dar de mamar, para amolecer a mama e facilitar para o bebê pegar o peito. Se houver piora, procure ajuda em um serviço de saúde.

Meu leite pode estar sendo pouco para meu bebê?

Para manter sempre uma boa quantidade de leite, amamente com freqüência, deixando o bebê esvaziar bem o peito na mamada. Não precisa oferecer outro alimento (água, chá, suco ou leite). Se o bebê dorme bem e está ganhando peso, o leite está sendo suficiente.

Existe leite fraco?

Não existe leite fraco! Todo leite materno é forte e bom. A cor do leite pode variar, mas ele nunca é fraco e nem todo choro do bebê é de fome.  A criança chora quando quer aconchego, quando tem cólicas ou sente algum desconforto. Além disso o leite materno é de digestão fácil, por isso algumas crinças querem mamar mais vezes.

Dar de mamar faz os peitos caírem?

Não é verdade. A queda do peito depende de vários fatores: hereditários, idade, aumento de peso. A própria gravidez causa mudança na sua forma e posição.

Quais as principais vantagens do aleitamento materno para o bebê?

Crianças que mamam têm menos risco de sofrer de doenças respiratórias, infecções urinárias ou diarréias, problemas que podem levar a internações e até à morte. O bebê amamentado corretamente, no futuro terá menos chance de desenvolver diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares.

Quais as principais vantagens do aleitamento materno para a mãe?

Amamentar fortalece o vínculo afetivo entre mãe e bebê, pois cria na mulher o sentimento de ser essencial para o filho, pois é o seu corpo que produz o alimento que irá nutrí-lo e protegê-lo. A mulher que amamenta corre menos risco de hemorragia e infecção pós parto,  contrair câncer de mama e de ovário. Amamentar também ajuda a mulher a voltar ao peso anterior à gestação  mais rápido.
Evita gastos com leite, mamadeiras, bicos, materiais de limpeza, gás, água, etc. Está sempre pronto, na temperatura ideal. Não exige preparo.

O leite materno provoca cólicas no bebê?

Não, o leite materno é o alimento ideal, pois tem todos os nutrientes na quantidade adequada para o crescimento físico e do cérebro do bebê. As cólicas são decorrentes da imaturidade do sistem digestivo e pode se prolongar por aproximadamente 3 meses. Entretando, bebês amamentados exclusivamente no seio materno, apresentam menor frequência de cólicas em relação a bebês que recebem outros alimentos. A tranquilidade e confiança da mãe são essenciais para que o bebê fique mais tranquilo e passe por esta fase de forma mais suave.

Devo amamentar quando estou com febre?

Sim. A febre é um sinal de alerta que pode estar iniciando um processo de infecção. Porém, qualquer motivo que esteja causando febre, o organismo da mãe formará anticorpos no seu leite, que passará para o seu bebê, protegendo-o de contrair infecção. Caso o motivo da febre seja gripe ou outros de origem respiratória, a mãe deve ter o cuidado de lavar as mãos e colocar máscara.
Em todos os casos de febre, a mãe deve procurar o serviço de saúde.

Devo suspender a amamentação quando preciso tomar alguma medicação?

Existem alguns medicamentos que realmente contra-indicam a continuidade da amamentação, mesmo que provisoriamente. Mas a maioria não contra-indicam. Por isso, em caso de dúvidas, consulte o médico e o Banco de Leite para receber a orientação correta.

Estou com medo de engravidar, posso tomar anticoncepcional?

Existe os anticoncepcionais apropriados para o período de amamentação, procure seu médico ou o serviço de saúde. Também podem ser usados outros métodos que irão oferecer mais segurança para evitar uma nova gravidez, uma vez que a amamentação exclusiva ao peito já diminui as chances. O uso de preservativos masculino e feminino e o DIU, são boas opções.

Estou amamentando e descobri que estou grávida. Posso continuar a amamentar? Não vai prejudicar meu filho que está sendo gerado?

As mães que engravidam enquanto estão amamentando devem procurar se informar com seu médico sobre a possibilidade de continuar a amamentação. Para algumas mulheres pode ser prejudicial, para outras não. Portanto, o desmame deve ocorrer gradativamente, para não causar traumas e transtornos psicológicos no filho que amamenta.

Meu bebê está evacuando toda vez que mama, estou preocupada se meu leite está fazendo mal a ele.

O bebê que mama exclusivamente no peito pode evacuar várias vezes ao dia e as fezes podem ser amolecidas. Isto não é diarréia e não prejudica o seu filho. O leite materno nunca prejudica a saúde do bebê.

Meu filho está ficando muitos dias sem evacuar. Estou preocupada se meu leite está causando constipação intestinal.

O bebê que mama no peito pode ficar alguns dias sem evacuar. Isto se deve a absorção e aproveitamento do leite materno pelo organismo do bebê, formando pouco “bolo fecal” e daí, a demora de evacuar. É fisilógico e não deve ser motivo de preocupação.

Eu quero muito amamentar, mas minha mãe diz que na nossa família não somos  “boas de leite”. É verdade que há famílias que não tem leite?

É comum muitas mães  gestantes ou nutrizes acharem que não poderão amamentar porque suas mães ou irmãs não amamentaram. Entretanto, isto é errôneo. O que provavelmente ocorreu foi que não tiveram apoio ou informações adequadas no momento que precisaram e acabaram desistindo de amamentar. O importante quando você apresentar qualquer dúvida, é procurar ajuda do serviço de saúde e levar seus familiares para que também possam se orientar melhor e apoiá-la a conseguir alcançar seu objetivo. 

Quando devo desmamar meu bebê?

O Ministério da Saúde recomenda que a amamentação seja exclusiva até os seis meses e continuada até dois anos ou mais. Entretanto, é importante salientar que a amamentação deverá ser prazerosa para ambos e o desmame poderá acontecer pouco antes ou depois da recomendação. O que não implica em problemas para a criança. O imortante é que o desmame seja feito de forma lenta e gradual, dando oportunidade para a mãe e para o bebê assimilarem esta nova etapa.

Leia também a Cartilha 'Amamentar, a melhor escolha':

icon  Amamentar, a melhor escolha

FHEMIG nas redes sociais

   Twiter Facebook   

 ouvidoria