Institucional MG Transplantes

O MG Transplantes é composto por seis Organizações de Procura de Órgãos (OPO's) distribuídas nas seguintes regiões: Metropolitana de Belo Horizonte, Leste (Governador Valadares), Nordeste (Montes Claros), Oeste (Uberlândia), Sul (Pouso Alegre) e Zona da Mata (Juiz de Fora). É responsável por coordenar a política de transplante de órgãos e tecidos no Estado de Minas Gerais, regulando o processo de notificação, doação, distribuição e logística, avaliando resultados e capacitando hospitais e profissionais afins na atividade de transplante.

Linha de orientação à população: 0800.283.7183
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Endereço: Avenida Professor Alfredo Balena, 400, 1º andar, Santa Efigênia, BH/MG
Telefone: (31) 3219-9200 e 3219-9201

Saiba mais

A doação de órgãos e sua destinação para transplante é coordenada em Minas Gerais pelo MG Transplantes, que é responsável pela captação e distribuição de órgãos em todo o Estado, por meio da Central Nacional de Transplantes (CNT).

Há dois tipos de doadores de órgãos sendo, o doador cadáver e o doador vivo. É importante comunicar à família o desejo de ser doador, não é necessário deixar nada por escrito. Podem ser doados os seguintes órgãos: coração, fígado, rins, pâncreas, pulmões, córneas e ossos (o MG Transplantes ainda não faz captação de ossos). O doador vivo é qualquer pessoa saudável que concorde com a doação, sem comprometimento de sua saúde e aptidões vitais. Por lei, podem ser cônjuges e parentes até o quarto grau. Não parentes do paciente, somente com autorização judicial.

Os doadores vivos podem doar um dos rins, uma parte do fígado, uma parte do pulmão, uma parte do pâncreas e a medula óssea. O potencial doador vivo também deve ser encaminhado a um Centro Transplantador, para que se verifiquem as possibilidades do transplante. A retirada de tecidos e órgãos de doador cadáver para transplante depende da autorização do cônjuge ou parentes até o segundo grau, que são consultados após o diagnóstico de Morte Encefálica (parada total e irreversível do cérebro, atestado por diversos exames).

Quando o paciente está em quadro de morte encefálica, mas com o coração ainda batendo, podem ser retirados todos os órgãos passíveis de doação. Com o coração parado é possível doar apenas as córneas, que podem ser retiradas num prazo de até seis horas. Para entrar na lista de receptores de órgãos e transplante é preciso ser encaminhado por um médico para um dos Centros Transplantadores. O paciente é submetido a vários exames, que variam conforme o caso clínico, para que seja comprovada a necessidade do transplante.

Para a realização do transplante, há uma lista única do Estado de Minas Gerais, sob a responsabilidade do MG Transplantes, em que são observados vários critérios: urgência, compatibilidade de grupo sanguíneo, compatibilidade anatômica (tamanho do órgão e do paciente), compatibilidade genética, idade do paciente, tempo de espera, dentre outros critérios.

Infraestrutura

O Governo do Estado tem investido na infraestrutura e em recursos humanos no MG Transplantes. Minas Gerais possui uma boa logística de transporte aéreo e terrestre. O transporte aéreo, à disposição 24 horas, ajuda no transporte da equipe para retirada de múltiplos órgãos fora de Belo Horizonte e também no transporte de órgãos e tecidos. Nos locais onde não existe a possibilidade de pouso de avião, as polícias Militar, Civil e Federal têm helicópteros à disposição.

Banco de Olhos

Há dois Bancos de Olhos no estado sendo, um em Belo Horizonte e outro em Juiz de Fora. O Banco de Olhos de Belo Horizonte é reconhecido nacionalmente e um dos mais bem estruturados do país.

Histórico

Criado em 1992, o MG Transplantes é reconhecido como um órgão organizado e ativo. É responsável, por meio do Serviço Nacional de Transplantes (SNT), por monitorar a lista única de transplante de órgãos e tecidos, receber fichas de inscrição dos profissionais autorizados a transplantar, manter busca ativa constante nos hospitais de cada uma das seis OPO's/MG, entre outras funções.

As Organizações de Procura de Órgãos (OPO's) possuem estrutura com um coordenador geral, plantão médico 24 horas, enfermeiro, psicólogo, administrativo e carro com motorista para captação e busca de órgãos e tecidos.